Um carinho

Para iniciar sua semana com delicadeza e poesia…. Liga o som, canta junto… Você conhece.

Tão óbvio, tão simples, e por isso, tão bonito.

Anúncios

Raulzito.

Há 65 anos Raul Santos Seixas nascia.

Porra louca? Pode ser, na concepção de alguns. Mas sabia falar dos sentimentos e loucuras humanas, que eu e você temos e na maioria das vezes não assumimos, como nenhum outro artista soube.

Então, já que é dia dele, toca Rauuuuuuuuuuuuuuuuuuuulllll!!!!!!!!!!!!!!!

Quanta verdade nessa letra, non?

Post pra dançar.

* Atenção: só vale ler esse post se vc estiver com tempo p/ ouvir as músicas.

***

Então, eu amo sair pra dançar (Ok, ‘grandes novidades’ pra quem tem como uma das profissões a dança). Mas não é assim, um mero gostar… Eu sinto necessidade de pista de dança. Vontade ferrenha. Curto sair p/ um barzinho, jogar conversa fora e tals, mas o que me dá tesão mesmo é a pista. Teve uma época em que eu só queria ir pra balada anos 80 (nostalgia mode on), mas de uns tempos pra cá tenho notado uma galera meio ‘estranha’ nesses eventos, e notei que os DJs tocam sempre as mesmas músicas – como se anos 80 fosse feito apenas de “We are family”, Rádio Pirata, e outras obviedades da época. Tanta coisa pra se resgatar desse tempo! Nunca ouço nesses locais The Smiths, Grafitte, Bangles… Sempre as mesmas músicas, um porre.

Acho que atualmente tem muita coisa legal sendo produzida no que se refere à música pra pista de dança. Lady GaGa é um exemplo – apesar de já estar manjada nas pick-ups dos DJs. Rihanna é outra marca desse tempo e acho que suas músicas bem mixadas levantam qualquer um desanimado. Tá, não sou grande conhecedora dos nomes, falo do que todo mundo já conhece, ou pelo menos já ouviu falar.

Sou super fã das músicas do Black Eyed Peas. Apesar de virarem ‘carne de vaca’ em pouco tempo, de tanto que tocam nas rádios, são músicas que animam, inspiram até mesmo performances, hehe. Uma delas, que gosto muito é essa:

Surreal o clipe, né?

Você podem torcer o nariz pra próxima. Mas, meu (hoje tô com a paulista atacada), essa menina (menina mesmo, podia ser minha filha,aliás, a minha filha gosta dela!) num fez uma musiquinha danadinha de boa? Na próxima vez que vc fizer faxina em casa bota esse som no último e veja o que é bom pra tosse:

Algo nessa música me lembra ‘Girls just wanna have fun’, da Cindy, meu ‘hino’ na adolescência..

Mamãe, nessa versão de Celebration, arrasa também. Muito dançante:

Reparam na filha dela, a Lola, de Like Virgin no minuto 2:45 do clipe? Confesso também que me emocionei com a homenagem ao Michael…

Essa também é muito legalzinha pra começar a esquentar os pezinhos na pista… Me lembra Ibiza (como se algum dia nessa vida eu já tivesse ido pra lá):

E como já dizia aquela música “sonhar não custa nada…”, eu espero ouvir, um dia, numa pista brazuca, o som do meu divo, que só quem é bellydancer conhece…Tarkan!

Nham… He’s hot! Tarkan nunca é demais, dose dupla procêis!

Ai… pausa p/ todos respirarmos.

Agora, piada vai ser o dia em que eu ouvir isso na pista:

Depois dessa eu vou embora. Bom Carnaval pro cêis tudo.

Uma vida numa canção

Aqui no Rio conheço um dos músicos que toca com grandes artistas da nossa MPB, dentre eles, minha amada Ana Carolina. Dirceu Leite é um músico de M maiúsculo. Falando nisso,gravou recentemente um cd instrumental de MPB, o Cacique Instrumental, que é simplesmente fantástico, ótimo para ser desgustado quando vc quer ouvir música de qualidade.
Dia desses, estava eu num papo musical com o Dirceu quando lhe revelei minha admiração pela cantora Ana Carolina e, dentre outras coisas, eu lhe dizia que ela era, atualmente, a cantora que eu mais gostava. Ele retrucou:

-Ah, você gosta das coisas simples da vida.

É, em parte ele está certo. Mas no que se refere à música, discordei dele (hohoho, que petulância dessa garota…). É que não acho que as músicas que Donana Carolina canta sejam simples. Na minha opinião, ela canta as verdades uterinas das mulheres. Sacomé?Aquilo que não está imediatamente à vista, está subentendido, mas está ali, pulsando, dando trabalho…
Disse então a ele que a música dela é a verbalização daquilo que percorre a mente feminina, daí a identificação. Ele entendeu e complementou que isso explicava o grande número de fãs mulheres que Ana possui.

Bingo, Dirceu.

Uma das músicas que mexe com os meus brios, porque fala de mim, escancaradamente, chama-se “Prá rua me levar”. Me reconheço nessa canção, desde que a ouvi pela primeira vez, há uns 5 anos aproximadamente. É uma música que fala de maturidade, de conhecimento pessoal, de resoluções, de alguém que está pouco se lixando para a opinião alheia….E quanto mais o tempo passa, mais ela tem a ver comigo.
Ei-la:

E a outra que não tem uma vírgula diferente do que eu seja, ou pense.

Vá adivinhar assim lá na casa do chapéu!