Ação e reação.

Enfim, voltei para a blogosfera.

E o ano já começou, né? A vida inteira ouvi dizer que o ano só começa depois do carnaval, mas na prática isso nunca aconteceu, pelo menos pra mim. Não partilho muito do pensamento contido nesses ditos populares e esse, em especial, eu desconsidero porque a minha natureza ansiosa exige que tudo comece a acontecer agora.

Outro fator que me leva a fazer com que o ano ‘comece de verdade’ é sair da energia turbulenta que reinou durante o meu 2010.  É, esse não foi um ano bom pra mim. A “perda” de 2 das pessoas mais importantes na minha vida me desestabilizou. Procurei ser forte emocionalmente, acho que em alguns momentos consegui, mas na maioria do tempo me sentia perdida numa floresta escura. Essa sensação me deixou vulnerável (quem não ficaria?) e o resultado foi que eu pisei na bola comigo mesma. Fiquei apática com os projetos que havia traçado, minha adaptação em Porto Alegre não se deu a contento (culpa do meu excesso de expectativa). No âmbito social acabei confiando em quem não devia e paguei por isso, me precipitei em oferecer minha amizade a quem ainda só olha o próprio umbigo. Mas tudo que vem na nossa vida, vem pra deixar a gente mais ‘sabida’ e acho que agora compreendo melhor a relação problemática que tive com algumas pessoas no ano passado. A minha carência pode atrair gente igual ou tão mais carente do que eu.

Mas nesse contexto, coisas positivas também vieram. Reforcei minhas amizades, tanto as antigas quanto as mais recentes. Confirmei o que já sabia: tenho muita gente legal do meu lado, melhor, pessoas preciosas que me souberam dar colo pelo telefone, pelo e mail.  São meus amigos-irmãos, como eu os costumo chamar, assim como sei que sou uma irmã para eles. Nossa relação não precisa ser um oceano de harmonia o tempo todo, mas acima de tudo a gente se ouve, além do ouvido, a gente se ouve com o coração. Saber que os tenho em minha vida tranquiliza o meu espírito.

Falando nisso, as circunstâncias de 2010 também fizeram ficar mais atenta à  minha espiritualidade e por isso fui atrás de cuidar melhor dela. Ainda estou no caminho e sei o caminho é longo e exigente. Mas já clareou algumas coisas e me sinto melhor com o que  consigo entender. Sabe… Desenvolver a espiritualidade é o maior trabalho de auto-conhecimento que já fiz.

Sei que certas questões não se resolvem apenas com a virada do calendário (quem dera…). Mas a atmosfera de renovação que paira sobre essa época do ano me serve de alavanca pra resolve-las. Então vambora, que a vida não demora!

 

 

Que sejamos felizes em 2011!

Anúncios

Pessoas boas existem sim.

E a vida,  essa jornada da qual somos todos aprendizes, prossegue.

Meu coração ainda bate triste, volta e meia as lágrimas teimam em sair dos meus olhos, mas sigo. Seguir é preciso, eu tenho uma história pra viver.

Por mais que seja inoportuno, um lado meu se sente feliz ao constatar que existe no mundo muitas pessoas que se importam verdadeiramente com o outro. À estas eu apelido, carinhosamente, de Amélies Poulains.

E assim, neste post venho agradecer e retribuir o carinho que vocês tiveram ao dedicar alguns minutos de suas vidas para deixar mensagens de solidariedade e afeto para mim, aqui e no Orkut. Foi reconfortante ler cada palavrinha, foi como um carinho, um abraço. Fez muita diferença nesse momento doloroso.

Aos meus leitores quietinhos, que passaram por aqui, pressentiram minha tristeza e ainda assim mandaram suas vibrações positivas, obrigada.

Também deixo aqui, registrado, todo o meu amor e consideração por algumas pessoas que, dotadas de um coração generoso e companheiro, foram me dar seu colo pessoalmente privando-se do descanso depois de um dia de trabalho ou até predispondo-se em enfrentar uma estrada para me abraçar… Amigas, mulheres fortes que tem a consciência da importância de segurar o outro nesses momentos. Foi o abraço de vocês que me manteve em pé e me deu força pra enfrentar a situação. Iara, Elaine, Ana Lúcia e Ana Cláudia, amigas que o tempo transformou em irmãs, vocês foram fundamentais. Lorena, que mesmo distante geograficamente está mais presente na minha vida do que muitos que estão a 1 quarteirão de distância, me encheu de ânimo com suas firmes e doces palavras… Meu coração é cheio de gratidão e amor fraterno por vocês… Obrigada sempre.

À família em que nasci e que se encontra, nesse momento, na mesma fragilidade que eu, a certeza de que temos uns aos outros  e por isso, seremos fortes… Amo imensamente vocês.

E a você, que está lendo este post…Que tenha um anjo nese momento, aí do seu lado, com a mãos sobre seus ombros, protegendo a sua vida.

Bem…

Recarregadas as energias, sinto mais vontade de me dedicar a este espaço e tentar trazer a vocês textos que também possam fazer diferença em suas vidas. É por aqui que nos conectamos e nos achamos. Por isso tenho responsabilidades, doces responsabilidades por vocês.

Um beijo, azul da cor do céu….

Para meus amores distantes

Existe uma rede de supermercados aqui em Porto que faz, todo ano, um comercial homenageando a cidade. Amanhã, dia 26, é aniversário do meu irmão (ê, Digo!) e também de Porto Alegre (237 anos). Vejam o comercial que a rede Zaffari produziu e está passando na TV daqui. Mostra diversos pontos da cidade. Quando vocês, meus amados distantes, vierem passear por estes prados, prometo levá-los à cada um desses lugares, podem me cobrar!

Com Samara.

Não é ótimo quando você confirma e até mesmo, supera, as suas expectativas?
Pois é, conhecer a Samy foi assim. Depois de bons aninhos de papo virtual, o papo foi real e guarnecido de belas taças de sorvete. E eu já sabia que ia adora-la quando a conhecesse pessoalmente. E não foi diferente. Só o tempo é que foi pouco. Mas faz mal não, temos no mínimo 2 anos de conversas, cafés e sorvetes com nata pela frente.

Samy e eu. Num dia de muito calor em Forno Alegre!

Luanna e Ro: faltam vocês!

Ter amigos é very good.