Comida que faz carinho no estômago e na alma.

Sabe, estou tentando parar de comer carne vermelha. Razões n para isso. Ainda está um pouco difícil, sobretudo porque moro na capital do churrasco, onde o cheiro da picanha assada invade as ruas na hora do almoço (tá, menos… Gaúcho não vive só de churrasco).

Bem, por causa disso tenho feito algumas experiências vegetarianas, ou quase, e algumas tem dado muito, mas muito certo e convenceram até marido que é um bom carnívoro. Nesse inverno o creme de alho poró reinou aqui em casa. Não torça o nariz, é muito bom. E com a média da temperatura fazendo  5º, 6ºC , esse creminho tinha a capacidade de fazer carinho no estômago e esquentar. Não torça o nariz, é muito bom. Se você não conhece, o alho poró  (ou porró) saiba que ele é um vegetal de sabor muito suave, delicado, mas nem por isso insosso e extremamente saboroso. Como ele é? Assim:

Prazer, alho poró.

E se quiser saber mais, clica aqui: O que é alho poró?

Voltando… Mesmo que esteja fazendo calor aí onde você mora – e eu sei que de SP pra cima a sensação é de verão –  tenta fazer. Deixa o creme esfriar um pouco antes de comer, mas faça. Você não vai se arrepender.

Olha só que fácil. Arruma em cima da pia:

– 1 cebola de pequena pra média, cortada em rodelas.

– 4 dentes de alho amassados ( se gostar muito de alho, como eu, pode colocar mais um pouco 🙂 ).

– 2 talos de alho poró cortado em rodelas, não precisam ser finas. (Para quem vai usar o alho poró pela primeira vez, olha como eu “trato” dele: retiro as folhas verde-escuras, dou uma lavadinha, seco e guardo na geladeira envolto num papel toalha. Uso pra fazer depois um bouquet-garni, que ajuda a perfumar molhos, água de macarrão… Ah, noutro dia ensino como faz. Daí lavo bem  o talo porque às vezes ele vem com uma terrinha, então, com a mão mesmo, tiro a primeira camadinha de casca, porque foi essa parte que ficou exposta no mercado, com todo mundo pegando. Pronto, só isso, bem fácil).

– Óleo de canola ou girassol (eu prefiro esses).

– 3 batatas médias/grandes, descascadas e picadas de qualquer jeito.

– Um caldinho de legumes (Dica: tô usando aquele que a Knorr lançou, que vem em potinho. É muito bom mesmo, mais light, super saboroso. Mas se vc souber fazer o caldinho em casa, manda ver nele mesmo!)

– 1 caixinha de creme de leite (200g).

-1 litro e meio de água fervente.

Refoga no óleo a cebola, o alho amassado e as rodelinhas de alho poró (hum, fica um perfume…).  Deixa murchar apenas, não precisa dourar. Daí você joga a água fervente, o caldo de legumes e depois as batatas. Mexe até o caldinho dissolver e deixa todo mundo cozinhar, mas fica de olho. Depois de uns 15, 20 minutos olha se a batata já está molinha. Se estiver, desligue o fogo, espera uns 10 minutinhos para sair o calor forte e joga tudo pra dentro do copo de liquidificador (o meu aceita que eu jogue líquido quente de uma vez, mas se vc não sabe se o seu dá conta, vai devagarzinho, concha por concha). Bate até ficar um creme lisinho. Devolve isso pra panela e em fogo baixo você acrescenta o creme de leite. Mexe e experimenta se está bom de sal (o caldo de legumes já tem sal, mas eu coloco mais um pouquinho nessa hora).  Daí você pega aquele queijo parmesão de ótima qualidade (não me venha estragar a receita usando queijo ralado de saquinho, hein?) e rala ele grosso. Põe o creminho numa cumbuquinha para sopas (ah, fica mais bonitinho, mas pode ser no bom e familiar prato fundo mesmo) e joga o queijo ralado por cima, generosamente. Isso. Vai ser feliz. Seu estômago vai sorrir.

Pra acompanhar pode usar pão italiano, se eu não acho o bendito uso até pão francês fresquinho, rs. Mas não carece muito não, viu. Bem, vc pode usar croutons. Eu faço os meus, não compro pois é muito caro e fazer não dá trabalho e dura um monte. Olha como faz:

Croutons: pega um pacote de pão de forma (eu prefiro usar o que não tem casca, mas se vc não achar usa os com casca mesmo), faz montinhos de 5 em 5 fatias e com uma faca boa você corta em cubinhos pequenos, pra ficar delicado. Joga tudo numa vasilha grande (como a da batedeira) e aí acrescenta, a olho mesmo e dependendo do quanto você gosta desses temperos secos: pimentinha do reino (se puder moer na hora melhor), orégano, curry, páprica doce, cebola e salsa desidratadas, queijo ralado, um pouquinho de sal. Mistura e experimenta um pra ver se o sal está bom (hehe, que ingenuidade a minha, você vai acabar experimentando um monte!). Daí rega com um bom azeite, até todos os croutons ficarem envolvidos (mas cuidado pra não encharcar!). Põe numa assadeira grande, sem untar, espalha todo mundo e manda p/ o forno médio, pré-aquecido. De tempo em tempo olha e experimenta pra ver se já estão crocantes, no meu forno demora uns 15, 20 minutos. Eles ficam levemente douradinhos. Chegado no ponto, deixa esfriar em cima da pia e depois coloca num pote com tampa que vede bem. Pronto, você tem croutons por um bom tempo, pra jogar nas suas sopas, cremes, saladas e onde mais quiser. Ele tem boa durabilidade. E é mil vezes melhor que o comprado na padaria chique do seu bairro.

É como eu sempre falo: a felicidade da vida está presente nesses bons – e saborosos – momentos!

(Se você fizer, vem me contar o resultado depois tá?)

Breve pausa na programação.

Seguinte: vou ali, rever o lugar e as pessoas que amo, volto mais tarde…
Juízo nesse feriado, molecada… Mas satisfaçam sua criança interior!!!!!

beijo beijo beijo.

PS: se possível, adoraria que deixassem a opinião de vocês sobre o novo layout do balaio… repararam que agora tem videozinho? Tá aqui à direita —> .
‘Brigadão!