Criança tem que desenhar.

Um pedido da pedagoga e da psicomotricista às mães e pais do meu Brasil varonil:

– Deixem seus filhos desenhar!!!

Como professora do Ensino Fundamental eu fico besta em constatar a quantidade de criança que não desenha: seja porque não tem tempo (como assim????), seja porque lhe dizem que é uma bobagem (!!!!) ou porque na sua casa não tem papel e lápis, ou giz de cera, ou carvão para os pequenos se expressarem.

O desenho é o canal por onde a criança pequena, e até mesmo a maiorzinha, possui para exprimir como sente o mundo, como as coisas lhe parecem. A criança ainda não tem vocabulário suficiente para nomear o mundo (isso cabe ao adulto ensinar-lhe), então é no desenho que ela se revela, expõe sua visão do meio.

o-que-dizem-os-desenhos-das-criancas-55-253

O desenho de uma criança nunca é bonito ou feio. Não se avalia um desenho infantil nesse aspecto. Não ajuda muito dizer ao seu filho de 6 anos que o desenho que ele fez está “liiiindo”. Quando ele vier com o desenho nas mãos e perguntar a sua opinião, devolva-lhe a pergunta: “O que você acha do seu desenho?”. Você vai ter boas surpresas com a resposta. E de quebra, vai ajudar o seu filho a desenvolver seu senso crítico.

Nenhum ‘exercício’ é mais completo para fortalecer as articulações e músculos das mãos e punho do que o desenho. O desenho é o melhor treino motor para a escrita. Escolha o material adequado a cada faixa etária para que seu filho possa tirar o melhor proveito desse momento:

– crianças de 2 a 3 anos e meio : giz de cera grosso, pintura com as mãozinhas.
– crianças de 4 e 5 anos: giz de cera de diversos tamanhos, hidrocor de ponta grossa, pintura com os dedinhos, pincel de cerda grossa.
– crianças acima de 5 anos: todos os anteriores, somados ao lápis de cor e pincéis de diversas espessuras.

Eleja com a criança um local da casa para fazer esses trabalhos, deixe papéis à mão, assim como o material. Deixe-a livre para desenhar o que quiser. Aproveite para estreitar o vínculo com seu filho, pegue um papel também, desenhe com ele.

Seja paciente. Não cobre, não exija perfeição. Não tente decifrar o desenho. Não queira que a criança faça do seu modo. Ela tem que fazer do modo dela.

O desenvolvimento de um adulto autônomo, seguro e confiante começa nesses pequenos, e aparentemente simples, gestos.

Pense sobre isso.